Filtre por assunto: Gestão Inovação Tecnologia

Segurança da informação nas empresas: como diminuir os riscos?

A segurança da informação nas empresas é um tema que nunca foi tão debatido como na atualidade e não é tão difícil entender os motivos. Hoje, a tecnologia da informação e as redes de internet são verdadeiros motores para um melhor desempenho em todas as atividades — elas revolucionaram a forma de se fazer negócios.

Contudo, toda essa facilidade também abre caminho para uma série de ações mal-intencionadas, os famosos crimes cibernéticos, que, por sinal, estão cada vez mais sofisticados. Diante disso, para evitar que informações importantes da rede corporativa fiquem vulneráveis, criar mecanismos para aumentar a segurança é fundamental.

Neste artigo, abordaremos algumas das alternativas mais interessantes para diminuir os riscos de segurança da informação na sua empresa. Confira!

Quais são os principais riscos de segurança da informação nas empresas?

Se, por um lado, as tecnologias revolucionaram a integração e o compartilhamento de dados, na outra direção, os criminosos cibernéticos também trabalham com afinco para descobrir e explorar fragilidades nas redes corporativas.

Nesse contexto, por mais que os gestores tenham consciência do perigo e já tenham incorporado ferramentas de segurança, todas as empresas estão sujeitas a sofrer violações em algum momento, seja por falha humana ou tecnológica.

Se você ainda não conhece os tipos de riscos aos quais a sua empresa está exposta, descubra agora quais são os ataques mais comuns e os problemas que os causam.

Roubo de dados

A integração da tecnologia aos processos internos da empresa, de modo geral, otimiza as atividades, desde o armazenamento de informações até a tomada de decisões. Contudo, a facilidade de operações conectadas aos recursos de TI também expõe o ambiente corporativo a diferentes perigos.

Nesse sentido, o roubo de dados é um dos principais inconvenientes que deve ser combatido de forma constante. Como tudo fica ligado a uma rede, pessoas mal-intencionadas podem invadir o sistema para roubar informações relevantes do negócio e causar muitos prejuízos. E, infelizmente, esse não é um evento raro de acontecer.

Ademais, ainda que a empresa não tenha os seus segredos revelados no mercado, os ataques podem ter o objetivo de destruir registros importantes ou jogar aplicações maliciosas na rede para atrapalhar o funcionamento do negócio. Enfim, algum problema sempre é provocado.

São inúmeras as ações que aproveitam as vulnerabilidades da rede. Por isso, o gestor deve tomar medidas preventivas para evitar que suas atividades e resultados sejam comprometidos.

Softwares desatualizados

A utilização de softwares desatualizados é uma das portas de entrada para boa parte das ameaças de segurança da informação na empresa. Isso porque as táticas de ataque continuam evoluindo para encontrar brechas na segurança e, assim, atingir a sua finalidade.

Dessa forma, quanto mais antigas são as versões dos programas e aplicações, maiores as chances do seu sistema ser invadido. Além disso, lembre-se de que a falta de manutenção da infraestrutura de TI, ao longo do tempo, também compromete a produtividade dos funcionários.

O melhor caminho é seguir o cronograma de atualizações para proteger a confiabilidade das ferramentas implementadas, bem como a eficiência na execução das tarefas, sem dores de cabeça que interrompam os serviços.

Espionagem industrial

A espionagem não é novidade no cenário empresarial. A concorrência pode ter pessoas infiltradas na sua empresa, as pessoas podem despertar interesse em faturar algum capital ao ter contato com informações valiosas, novos insights podem ser roubados para que o espião se torne um concorrente, entre outras práticas.

Então, criar mecanismos para assegurar o sigilo dos projetos é uma questão, até mesmo, de sobrevivência do negócio e de manter-se à frente dos adversários. O ideal para organizações que trabalham com qualquer tipo de sistema informatizado é limitar, ao máximo, o acesso aos seus registros internos e segredos.

Ransomware

Atualmente, uma categoria de ataque que tem ganhado destaque e chamado a atenção dos especialistas em tecnologia é o ransomware, espécie de malware que funciona como um sequestro de dados.

Sua dinâmica começa com a captura de todos os arquivos acessíveis do usuário infectado e, por fim, os agentes exigem o pagamento de determinada quantia em troca de uma chave de acesso.

Como se trata de uma modalidade de ataque moderna e sofisticada, a sua prevenção também requer a adoção de um conjunto de medidas, a exemplo de:

  • monitoramento constante da rede interna;
  • atualizações frequentes;
  • segmentação da rede, etc.

Phishing

Outra fraude bastante comum na era digital, talvez a mais popular entre os cibercriminosos, é o phishing. Essa é uma estratégia na qual o invasor se apresenta como entidade ou pessoas com credibilidade. Então entra em contato com a empresa via e-mail ou demais canais de comunicação, nos quais possam ser distribuídos links ou anexos maliciosos.

Os arquivos compartilhados via phishing são capazes de executar uma série de funções, como, por exemplo, a extração de credenciais de login, dados sigilosos das contas das vítimas, inclusive, de clientes da empresa.

Se traçarmos um comparativo dos riscos de segurança da informação, o phishing é a modalidade tecnicamente mais simples para os invasores, pois os próprios usuários facilitam sua entrada ao clicarem no link infectado, logo, eles não precisam romper as barreiras de segurança.

Como diminuir os riscos à segurança da informação?

Para se defender das ameaças aos registros e bancos de dados, existem medidas adaptáveis a todos os tipos e portes de negócios. Vejamos as principais delas.

Mantenha sistemas atualizados

Um dos primeiros passos para fortalecer os sistemas tecnológicos de um empreendimento é o cuidado em manter os softwares e aplicações sempre atualizados. Ao realizar essa simples ação periodicamente, além de corrigir possíveis bugs e erros, novas funções podem ser adicionadas, tornando os processos mais ágeis.

O maior problema é que muitos gestores acabam negligenciando essa etapa, ao adiá-la por falta de tempo, e só vão dar a devida importância ao se depararem com grandes dores de cabeça.

Para evitar dissabores, o mais indicado é implementar a estratégia de atualizações automáticas, de modo que todos os dispositivos conectados à rede corporativa sejam aprimorados periodicamente. Lembre-se de que prevenir é sempre mais fácil do que consertar defeitos e recuperar prejuízos.

Restrinja o uso de mídias removíveis

Pen drives, CDs, DVDs e outras mídias removíveis, em geral, são mecanismos muito utilizados no dia a dia de uma empresa. Entretanto, eles também são grandes facilitadores para a entrada de softwares maliciosos, colocando em xeque a preservação dos registros e projetos.

Outro ponto sobre tais dispositivos que merece atenção é o uso fora do ambiente da companhia. Com isso, além de eles funcionarem como uma porta de entrada das ameaças, podem expor dados sigilosos a pessoas que não têm relação com a empresa.

Como é muito difícil eliminar a utilização das mídias removíveis da rotina de trabalho, a solução mais eficiente consiste em desabilitar o modo de execução automática. Isso significa que, ao conectar um pen drive ao computador, por exemplo, as ferramentas de segurança farão uma varredura no item.

Dependendo da estação de trabalho e os tipos de arquivos que nela estão armazenados, é recomendado, inclusive, restringir o acesso.

Instale o bloqueio automático de conteúdos maliciosos

Conteúdos e sites maliciosos para distribuir malware estão entre as ações mais usadas pelos hackers para roubar informações e cometer atos ilegais. Logo, uma dica importante para que isso não ocorra é a instalação de um software de segurança, que funciona como um bloqueio para tais ameaças.

Ainda nesse quesito, é recomendável a instalação de programas de escaneamento de downloads, pois se algum vírus ou outra aplicação mal-intencionada estiver com o arquivo que será baixado, o programa emitirá um alerta e oferecerá alternativas para eliminá-los.

Crie uma política de segurança

Mesmo com as ferramentas de segurança mais modernas sendo incorporadas na rede corporativa, de nada adianta se os colaboradores não estiverem alinhados com uma Política de Segurança da Informação (PSI).

Esse documento tem por objetivo regulamentar as formas de acesso ao acervo da empresa, bem como as penalidades aplicáveis na hipótese de desrespeito a alguma das normas estabelecidas.

Para que a política de segurança alcance o máximo de eficiência, também é fundamental que parceiros e fornecedores estejam cientes das regras a serem obedecidas, pois essa comunicação externa pode igualmente oferecer perigos de vazamentos ou roubos de informação.

Invista em programas de antivírus, firewall e anti-spam

A combinação dessas três ferramentas é um cuidado essencial para assegurar que os funcionários não caiam em armadilhas digitais, bem como para barrar ameaças online ou transportadas pelas mídias removíveis.

A atenção exigida, nesse caso, é para que elas sejam instaladas tanto na infraestrutura de TI global quanto nas estações de trabalho individualmente. Dificilmente se consegue um programa de segurança de alta performance sem que tais recursos estejam incluídos.

Implemente o sistema de criptografia

A criptografia representa mais um recurso eficaz para que a empresa fortaleça a proteção dos seus sistemas. Ela pode ser desenvolvida por variadas técnicas e diferentes graus de segurança, criando-se códigos para que apenas as partes interessadas consigam decifrar a mensagem. Vejamos algumas das suas utilidades:

  • informações enviadas por e-mail;
  • dados armazenados em nuvem;
  • arquivos salvos no computador;
  • dados de navegação.

Trata-se de um mecanismo bastante interessante, pois, quando ele está em ação, isto é, já foi implementado, ainda que o software malicioso ultrapasse as barreiras do firewall, os dados criptografados estarão ilegíveis para o cibercriminoso.

Diante disso, o mais indicado é que o gestor de TI invista em um processo de criptografia automatizado, ou seja, sem a necessidade de intervenção humana.

Tenha um plano de recuperação de desastres

Por melhores que sejam as tecnologias e procedimentos de segurança da informação em um empreendimento, não é impossível que aconteça algum desastre, colocando em risco o funcionamento das atividades.

Assim, a função do DRP (Disaster Recovery Plan) ou Plano de Recuperação de Desastres é orientar os colaboradores sobre como proceder caso ocorram problemas na rede empresarial, servidores e data center.

O DRP é, portanto, um guia para que as equipes saibam lidar com os efeitos dos transtornos causados por qualquer tipo de ataque, mitigando os impactos negativos provocados no andamento das atividades.

Atenção! Ter uma estratégia de backup é fundamental para que o Plano de Recuperação de desastres tenha maior efetividade.

Utilize senhas de proteção

Adotar o uso de senhas na sua política de segurança da informação é uma excelente tática para complementar os demais métodos de proteção da companhia. Para tanto, é recomendável criar senhas fortes e estabelecer um cronograma, para que elas sejam renovadas de tempos em tempos.

Estimule a conscientização da equipe

Após estruturar a sua política de segurança, outro ponto-chave para o sucesso do processo é o envolvimento de todos os funcionários da empresa com essa cultura.

Certifique-se de que eles compreendem a importância de cada uma das ações e os comportamentos necessários, a fim de que elas funcionem bem. Nesse contexto, é válido realizar campanhas de comunicação, eventos e ministrar cursos sobre novas ameaças digitais. Afinal, uma simples brecha pode comprometer todos os seus esforços.

Escolha bem as suas ferramentas

Como foi visto, são inúmeros os mecanismos de segurança disponíveis no mercado para preservar a integridade e o sigilo dos dados empresariais, que vêm com as mais variadas funções.
Avaliar as ferramentas disponíveis no mercado antes de colocá-las em prática é um passo fundamental para a obtenção de resultados bem-sucedidos.

Nesse momento, além da qualidade dos sistemas, a confiança transmitida pelos fornecedores e a capacidade de personalização também são aspectos relevantes para se considerar.

Quanto maior a eficiência e a possibilidade de adaptação às características do seu negócio, maiores as chances de você investir em algo que vai atender satisfatoriamente às suas necessidades.

Com tudo isso, podemos perceber que a segurança da informação nas empresas é uma questão de ordem: são medidas indispensáveis para manter uma boa performance e, especialmente, a confiabilidade da marca. Embora não seja impossível que ocorra algum contratempo, ao adotar um conjunto de ferramentas adequado, é bem mais fácil proteger as informações corporativas de forma eficaz.

Gostou do artigo? Agora que você já sabe quais as principais ameaças à segurança da informação de uma empresa e como combatê-las, aproveite para conferir qual é a relação entre a segurança da informação e os sistemas ERP.