Filtre por assunto: Gestão Inovação Tecnologia

Terceirização de serviços: os impactos no RH de uma empresa

A reforma trabalhista e a Lei da Terceirização causaram muita polêmica durante todo o seu trâmite. Prós, contras e até quem não entende direito o que houve discutiram o assunto sob os mais diversos ângulos. De todas as discordâncias, um fato é incontestável: as alterações na lei têm impacto em todas as empresas.

Um dos pontos mais controversos é a terceirização de serviços. Afinal, ela modifica a dinâmica de trabalho nas organizações em vários aspectos. Por isso, as companhias devem saber lidar com esses novos fatores para não correrem o risco de ficar fora da lei.

Para aprender a lidar com as novidades, o setor de Recursos Humanos (RH) das empresas deve se preparar adequadamente para receber os profissionais terceirizados. Afinal, a maioria dos impactos da Lei da Terceirização vem justamente nesse setor.

Neste post, falamos mais sobre como esse processo afeta o RH das empresas. Venha com a gente para saber mais sobre o assunto!

Impactos da terceirização de serviços no RH

A atualização da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) atinge não apenas as empresas e os empregados, mas todo o contexto social atual. Afinal, em todas essas décadas de existência da CLT, o mercado de trabalho passou por muitas transformações.

Nesse cenário de incorporação da terceirização de serviços, o papel do RH deve ser estratégico. Para isso, é preciso que os profissionais do departamento compreendam a missão da empresa, de forma a ajudarem os colaboradores a se encontrarem dentro dela para que sejam capazes de alcançar bons resultados.

Segundo os criadores da lei, um dos objetivos é diminuir a quantidade de ações trabalhistas. Por isso, é essencial que o RH esteja sempre informado sobre as minúcias da lei de forma a cumpri-la fielmente. Veja, a seguir, alguns impactos importantes que a Lei da Terceirização pode trazer ao RH da sua companhia.

Atividade-fim

A Lei da Terceirização permite que a atividade-fim seja terceirizada (antes, apenas as atividades-meio podiam usar essa opção). Isso muda a forma como as leis trabalhistas são interpretadas e afeta diretamente a gestão de pessoas — que é atribuição do RH.

Quando opta pela terceirização, a empresa passa a ter profissionais terceirizados aptos a executar tarefas essenciais para o desenvolvimento do negócio, mas não pode interferir no seu desenvolvimento humano e de carreira. Isso porque a lei diz que não pode haver pessoalidade nem orientação direta da contratante do serviço.

Isso porque a empresa contrata profissionais para fazer atividades relevantes para seu negócio, sem tê-lo como CLT. Nesse cenário, o RH deve estabelecer estratégias para manter o ambiente da companhia saudável mesmo diante da diferenciação em benefícios e salários entre colaboradores e terceirizados para funções com a mesma responsabilidade e capacidade técnica.

Empresa utilizando a terceirização de serviços

Plano de carreira

É natural que o trabalhador queira ter a possibilidade de planejar sua carreira e seu futuro. Com a terceirização, podem haver impactos no conceito de carreira para os profissionais: vai ser mais difícil que eles tenham sentimento de pertencimento em relação à companhia — o que pode trazer desmotivação.

Além disso, os colaboradores terceirizados vão estar mais próximos da estratégia da empresa e podem, depois de absorver seu know-how, simplesmente deixá-la e oferecer sua experiência e seu conhecimento para os concorrentes.

Por isso, é essencial que o RH avalie como essa mão de obra vai ser utilizada na companhia. O departamento deve estar atento aos aspectos legais e ao clima organizacional, já que a contratação de empresas terceirizadas implica misturar duas culturas empresariais diferentes.

Motivação da equipe

A falta do sentimento de pertencimento pode dificultar o envolvimento do profissional. Afinal, ele não tem como saber se a empresa só vai utilizar seus serviços em um projeto e depois dispensá-lo. Com isso, dificilmente há um elo entre as partes e não há sentido em fazer planos de desenvolvimento.

O RH deve, então, criar políticas para integrar colaboradores e profissionais terceirizados. Afinal, como os benefícios sociais — que são fundamentais para reter talentos — não podem ser oferecidos aos terceiros, isso pode trazer instabilidade no clima e insatisfação no trabalhador. O RH deve lembrar que esse tipo de desigualdade leva a comparações e descontentamentos.

Por outro lado, quando os profissionais estão motivados e satisfeitos, executam suas funções com mais eficiência, de forma a evitar o retrabalho e falhas em suas rotinas profissionais. Por isso, o RH deve garantir o bem-estar de todos os colaboradores — tanto os internos quanto os terceirizados.

Padronização de políticas

É o RH que deve buscar alternativas de padronização da gestão em conjunto com a empresa terceirizada. O departamento deve encontrar formas de motivar o profissional terceirizado sem infringir a legislação. Afinal, a empresa deve oferecer sempre o melhor ambiente para a equipe, seja ela própria, seja terceirizada.

Além disso, a contratante é subsidiária na responsabilidade pelo cumprimento dos direitos trabalhistas — o que quer dizer que é acionada na Justiça quando a contratada deixar de cumprir as obrigações trabalhistas e forem esgotados seus bens.

Por isso, a contratante deve fiscalizar mensalmente o pagamento de salários, horas extras, 13º salário, férias e demais direitos pela empresa terceirizada. Por outro lado, a responsabilidade por encargos previdenciários e de imposto de renda de empregados terceirizados é de quem contrata os serviços.

Capacitação e adequação

Em resumo, o papel da equipe de RH vai ser cada vez mais essencial nesse cenário que inclui a terceirização de serviços de forma tão incisiva nas organizações. Para serem capazes de lidar com todos esses novos processos, os especialistas da área devem estar bem informados sobre a lei.

Cursos de capacitação são muito importantes nesse momento, para evitar que haja interpretações erradas sobre a legislação pertinente — e a consequente necessidade de retrabalho. É crucial, ainda, que os colaboradores do RH se adaptem às novidades nos âmbitos do recrutamento e da seleção para serem capazes de contratar as melhores opções do mercado.

Como está o processo de adaptação do departamento de RH da sua empresa às necessidades impostas pela terceirização de serviços? Para melhorar ainda mais a atuação dos profissionais dessa área, conheça os benefícios de usar um sistema de gestão empresarial. Boa leitura!00