Filtre por assunto: Gestão Inovação Tecnologia

A simulação de ocupação de máquinas pode ajudar na previsão de produção da empresa?

Produzir de acordo com a demanda e fazer um bom armazenamento dos produtos finalizados são estratégias que otimizam a gestão e, ainda, reduzem custos e tempo de produção, diminuem taxas de desperdício e conferem maior agilidade de resposta aos demais setores, em especial, ao financeiro da empresa. Isso, no Supply Chain Management, significa realizar a previsão de produção e determinar o nível de estoque necessário para cobrir uma demanda.

Nesse sentido, um problema comumente encontrado é definir valores mínimos e máximos para estocagem de insumos, já que fatores de difícil mensuração, como a demanda de consumo e a taxa de ocupação de máquinas, configuram desafios no planejamento do setor produtivo.

O objetivo deste post é explicar como a simulação de ocupação de máquinas pode ser útil para a previsão de produção de uma organização e como fazê-la de forma eficiente. Confira!

Desafios na previsão de produção e demanda

Durante o processo de implementação de um planejamento com objetivo de prever uma demanda, podem acontecer fatores que orientem uma mudança de estratégia e, por isso, tornam essa previsão tão difícil de ser executada. Entre esses fatores, estão:

  • alterações no perfil de consumo dos clientes;
  • descumprimento de prazos para entrega de insumos pelos fornecedores;
  • ociosidade de máquinas por quebra, manutenção, troca, etc.;
  • falta de mão de obra;
  • compras emergenciais;
  • indisponibilidade financeira no fluxo de caixa;
  • aumento do custo da mercadoria por sazonalidade, inflação, fatores climáticos, etc.;
  • dificuldade para a logística de recebimento e distribuição.

Com todos esses fatores, é importante que uma margem de segurança seja trabalhada para minimizar as falhas no processo e evitar a subprodução ou a superprodução.

Quando a demanda aumenta ou diminui

Para fazer essa margem de segurança para a produção, é preciso planejar cuidadosamente as operações necessárias para atender ao novo cenário de aumento ou diminuição da demanda. Alguns exemplos de ações que poderão ser trabalhadas:

  • orçamento da produção;
  • avaliação da necessidade de mão de obra mínima ou adicional;
  • contratação de horas extras ou a concessão de folga do banco de horas;
  • aquisição de matéria-prima ou a manutenção dos estoques;
  • execução do processo produtivo em si, de forma que não haja taxa de ociosidade ou excesso de carga de trabalho.

Após um planejamento eficiente de todo o processo produtivo, a empresa ainda poderá executar ações para reforçar ainda mais os resultados da operação. São exemplos:

  • as previsões financeiras para adequar o fluxo de caixa às necessidades de novas compras, pagamento de despesas operacionais e apuração do lucro com o processo;
  • o planejamento de estratégias de marketing que reforcem a visibilidade da marca e o volume de vendas e, também, melhorem ainda mais os resultados da empresa;
  • a formulação de preços competitivos que sejam atrativos no mercado e suficientes para cobrir a margem de contribuição por produto e as margens de lucro definidas para cada venda.

Vantagens de realizar a previsão de produção

Com tudo isso, as vantagens são várias:

  • índices menores de desperdício;
  • menores custos de manutenção de estoques;
  • precisão na produção: utilização planejada do espaço físico e da capacidade produtiva;
  • menores taxas de ociosidade de máquinas e de mão de obra;
  • maior agilidade de resposta aos sistemas de produção;
  • comunicação mais efetiva entre as áreas da empresa;
  • garantia de competitividade no mercado.

Como a simulação de ocupação de máquinas pode ajudar na previsão de produção

A simulação de ocupação total das máquinas ajuda no planejamento da capacidade produtiva de uma empresa, pois determina a quantidade de insumos necessários, assim como o tempo gasto na fabricação dos produtos.

Essa simulação permite, por exemplo, identificar gargalos, programar a produção conforme a demanda e os prazos estipulados, além de facilitar a previsão futura com base nos dados obtidos.

Definida a simulação máxima, com todos os turnos e operadores possíveis, e mínima, que não prejudique a planta da empresa com máquinas improdutivas e os custos acima do esperado de depreciação, é possível avaliar se os objetivos estão sendo cumpridos conforme as previsões ou se são aceitas adaptações para corrigir possíveis problemas.

Como realizar a previsão de produção

Como o próprio nome sugere, esse prognóstico acontece para direcionar a produção em função de fatores internos, como a disponibilidade de mão de obra, e externos, como índices mercadológicos, por exemplo.

1. Defina objetivos e metas

É preciso definir objetivos e metas que sejam compatíveis com a realidade e as possibilidades da empresa e que considerem todos os fatores que possam operar mudanças no planejamento.

Essa especificação clara é fundamental para iniciar qualquer análise e dará o direcionamento da previsão.

2. Determine valores e tempo para a execução

O prazo para executar o planejamento de demanda pode ser longo, médio ou curto, depende do objetivo e do valor disponível para realizá-lo.

A compra de equipamentos, por exemplo, deve ser uma ação em longo prazo, quando esgotadas todas as possibilidades de potencializar a produção por meio do aumento de turno de trabalho ou contratação de mão de obra sobressalente.

3. Escolha os modelos de planejamento

Os modelos de planejamento devem ser escolhidos conforme o tamanho, o ramo de atividade do negócio e o prazo. Em previsões de curto prazo, por exemplo, é possível utilizar um método simples como a regressão linear, pois não haverá mudanças significativas.

Já em longo prazo, diversas variáveis devem ser consideradas, o que sugere o uso de vários métodos alinhados e executados por especialistas. Esses métodos são subdivididos em:

Quantitativos

São métodos estatísticos que, por meio do histórico de demanda, identificam padrões utilizados para sugestões futuras. São exemplos desse modelo: médias móveis, análise de correlação, regressão linear, método sazonal multiplicativo e suavização exponencial.

Qualitativos

Baseiam-se em análises especializadas, mas são menos precisos pois não utilizam dados históricos. Alguns exemplos são a força de vendas, Delphi, júri de executivos e pesquisa de mercado.

4. Busque e interprete a informação

Reúna o máximo de volume de dados possível para tomar decisões mais eficientes. Para tal, escolha ferramentas que possam auxiliar na interpretação dos resultados obtidos e correlacioná-los com dados econômico-financeiros.

A ferramenta que pode auxiliar na previsão de produção

Para realizar a previsão de produção, gerenciar de forma ágil e segura o processo produtivo e obter dados que apurem os resultados obtidos, é preciso ter o apoio de um software.

Um ERP (Enterprise Resource Planning) se destaca no mercado como um sistema gerencial de módulos integrados que efetivam a automação de processos fundamentais e padronizam as rotinas para melhorar o desempenho dos diversos setores da empresa.

Assim, com uma gestão da informação, é possível:

  • programar a produção;
  • acompanhar o processo produtivo em tempo real;
  • cumprir os prazos acordados;
  • reagir de forma ágil ao cenário competitivo.

Os gestores devem realizar a previsão de produção da empresa por meio da simulação da ocupação de máquinas e tantos outros índices de análise de desempenho.

Para tal, é imprescindível integrar informações, a fim de orientar de forma eficiente os setores da empresa e suas operações e, com isso, propiciar melhorias contínuas para a manutenção da competitividade do negócio.

Agora que você sabe como realizar a previsão de produção, que tal acompanhar as novidades que disponibilizamos no InstagramFacebookYouTube e LinkedIn?



Laureci Sabel

Laureci Sabel

Diretor Presidente da Consistem

Deixe seu comentário