Gestão 05/05/2021

Você sabe o que a parada de produção por falta de material, o excesso de matéria-prima ou de produtos finalizados em estoque, perdas e desperdícios e atrasos na entrega têm em comum? Todos eles são problemas causados, na maioria das vezes, pela mesma origem: a falta de planejamento e sequenciamento de produção adequado e bem executado.

Essa premissa também é válida para o setor de vestuário. A organização de cada etapa fabril de uma indústria têxtil é fundamental para que o processo produtivo mantenha um fluxo constante sem falhas.

Conhecido como Plano de Controle de Produção (PCP), esse planejamento deve determinar o que produzir, quando, quanto, onde, como e para quem, alinhando a demanda da empresa e a linha de insumos necessários para que a produção aconteça e a fábrica opere de maneira otimizada.

Mas como desenvolver e aplicar um PCP eficiente para a sua planta fabril têxtil ganhar em produtividade e rendimento? A resposta para essa pergunta você pode conhecer a seguir com a seleção de dicas práticas para planejamento e sequenciamento de produção. Boa leitura!

Planejamento e sequenciamento de produção: entenda o que é

Antes de partirmos para as dicas, faremos uma breve parada para esclarecer qual é o conceito por trás do sistema PCP e seus benefícios.

Na indústria de moda, planejar a produção significa:

  • Reduzir custos
  • Alinhar o cronograma
  • Identificar gargalos em tempo hábil e corrigi-los
  • Evitar problemas com fornecedores
  • Prever a quantidade de matéria-prima
  • Ter dados e suporte para tomadas de decisão

Todos esses ganhos são resultados da organização das atividades que serão executadas na produção de uma fábrica em determinado período.

O PCP deve fazer a gestão de suprimentos para garantir que os processos produtivos não parem por falta de insumos. Ele também prevê a demanda por período, adequando a capacidade produtiva a curto, médio e longo prazo considerando a previsão de vendas, ajustes no planejamento, objetivos operacionais, demanda desagregada, contingência de recursos e objetivos financeiros.

Já pensou não ter um PCP à altura do seu negócio e deixar todas essas metas à deriva? Além de fazer sua marca andar para trás e não decolar, a ausência de um bom plano produtivo afeta também os colaboradores, que acabam desmotivados.

Se você já tem um bom PCP, mas nota que a ferramenta está sendo subaproveitada, vamos mudar isso? Atenção para as dicas abaixo para pôr em prática (e com sucesso) o planejamento e sequenciamento de produção da sua indústria têxtil!

  1. Comunicação clara entre os setores

Embora não haja um sistema produtivo totalmente à prova de falhas, o PCP é essencial para fornecer dados preciosos para a identificação de potencialidades e pontos a serem melhorados.

Mas, para isso acontecer, é preciso que ele seja considerado como uma célula central de informações e ações que precisam ser compartilhadas entre os diferentes setores da empresa.

Para que as decisões sejam rápidas e assertivas, o PCP precisa ser alimentado com dados como lista de produtos, pedidos, componentes, estoques, compras, ordens de fabricação, apontamentos de produção, projeção de vendas e de estoque, variações de consumo, entregas de fornecedores… Como se vê, é fundamental que todos os setores se comprometam a compartilhar essas informações no PCP para que ele cumpra o seu papel com o máximo de eficiência e no tempo exato.

  1. Processos bem definidos

Programar a produção consiste em ter processos alinhados e sequenciados de maneira a otimizar as etapas de fabricação e diminuir o retrabalho. Para definir com excelência a programação e ter processos bem definidos, pode-se utilizar dois métodos: o de programação para frente ou o para trás.

O primeiro minimiza o prazo de entrega e considera o início da execução das atividades quando houver disponibilidade de recursos. Já a programação para trás minimiza os recursos e o tempo alocados, considerando a data de entrega como o principal indicador para o planejamento.

O cumprimento da programação também passa pela definição das cargas de tarefas para cada posto de trabalho. Ambas precisam ser compatíveis e podem ser selecionadas conforme o potencial de cada posto (carregamento finito) ou desconsiderando as restrições de cada um deles (carregamento infinito, mais comum).

Depois, é necessário estabelecer a ordem de execução das operações, determinada através da ordem ou prioridade em que os pedidos serão efetuados.

A definição da preferência de produtos é muito importante para evitar conflitos, por exemplo, quando mais de um item ocupa a mesma frase de produção. Acompanhar e monitorar o plano de produção para possíveis ajustes também faz parte do conjunto de boas práticas para o sistema PCP.

  1. Utilizar a ficha técnica

No segmento têxtil, a ficha técnica é considerada o cerne da produção. A ferramenta abriga todas as informações do produto, desde as matérias-primas que serão utilizadas até o detalhamento individualizado dos processos. Deu para entender por que ela é essencial para o planejamento e o sequenciamento da produção, certo?

Se for mal feita ou subutilizada, a ficha técnica pode trazer problemas tanto no processo de fabricação quanto no setor de suprimentos, provocando erros na confecção (tamanho, cores e modelos) e atrasos na entrega.

Nos sistemas de gestão especializados no segmento da indústria têxtil, a ficha técnica é um dos módulos complementares, e essa integração torna prático e confiável centralizar no documento todas as informações específicas de cada produto e o seu compartilhamento entre os setores.

  1. Automatizar o planejamento da produção com a ajuda de um ERP adequado

Como um sistema que planeja, administra e automatiza todos os recursos de uma empresa e promove a integração das atividades de cada setor, o ERP tem muito a fazer pelo PCP.

Por concentrar todas as operações, o software de gestão possui uma base de dados única e faz as informações fluírem por toda a estrutura organizacional, aumentando o nível e a velocidade da comunicação inclusive nos setores fabris.

Todos esses registros, que envolvem entradas e saídas de insumos, mercadorias, fluxos de caixa, previsão de vendas, custos, entre outros, colaboram para que seja proposto um planejamento e sequenciamento da produção baseado em dados reais e alinhado com as demandas e as expectativas de vendas da marca têxtil.

O ERP também automatiza os processos, otimizando o tempo dos colaboradores e promovendo ganhos em produtividade.

Por todas essas vantagens, o investimento em uma ferramenta de gestão especializada em moda, como o Consistem ERP, possibilita e abre caminho para o crescimento do negócio.

Para conhecer, na prática, como o sistema de gestão opera e todos os benefícios que ele pode garantir para a sua marca têxtil, você pode solicitar uma demonstração gratuitamente. Nossos consultores especialistas estão preparados para entender as suas demandas de gestão e oferecer uma solução especializada e aprovada por centenas de indústrias têxteis no país.

Antes de encerrar este artigo, fica a conclusão: o PCP tem como propósito ampliar a eficácia e controlar os processos para que as metas de produção sejam alcançadas, determinando o que deve ser produzido e quanto, preparando a planta fabril para otimizar o fluxo de materiais e a transformação dos insumos.