Filtre por assunto: Gestão Inovação Tecnologia
Administrador organizando o plano de contas contábil.

Plano de contas contábil: como organizá-lo para o próximo ano?

Mais do que necessário para ter uma visão ampla e completa em relação aos ativos, aos passivos, às receitas e às despesas da empresa, o plano de contas contábil é, sem a menor sombra de dúvidas, um dos passos mais importantes para a implementação de uma boa gestão financeira.

No entanto, embora isso não seja nenhuma novidade para os gestores e/ou diretores de uma organização, muitos não sabem como colocá-lo em prática corretamente ou não entendem a importância de realizá-lo.

Independentemente da situação atual do seu negócio, este artigo foi preparado para mostrar como você deve organizar o plano de contas contábil para o próximo ano. A leitura é importante e, por isso, merece toda a sua atenção. Aproveite!

O que é o plano de contas contábil?

Lista de contas que apresenta os informes necessários para que a companhia possa registrar todos os eventos, movimentações econômicas e financeiras que acontecem durante suas atividades e operações. Essa é a definição básica de um plano de contas contábil.

De acordo com o art. 178 da lei 6.404/76, as contas serão classificadas segundo os elementos do patrimônio resgistrado e agrupadas de modo a facilitar o conhecimento e a análise da situação financeira da companhia.

O objetivo por trás do plano de contas é evidenciar a real situação patrimonial da empresa. Para que isso seja possível, é preciso estruturá-lo de acordo com os fundamentos contábeis estabelecidos pela Lei da S/A.

Em outras palavras, ele deve ser elaborado com base na legislação comercial, sendo dividido pelos seguintes grupos:

• ativo:

  • ativo circulante
  • ativo não circulante

• passivo:

  • passivo circulante
  • passivo não circulante

• resultado

3.1 receitas

3.2 deduções da receita

3.3 custos e despesas

Contudo, diante do fato de que nem todas as empresas são categorizadas como S/A (Sociedade Anônima), não há a necessidade de seguir essa legislação fiscal, caso a organização não tenha que se “explicar” para os investidores e acionistas, por exemplo.

Isso significa que adaptações poderão ser feitas. No entanto, o recomendado é manter-se dentro dessa estrutura sempre que possível – no decorrer do artigo, nós mostraremos como organizar o plano de contas contábil de forma mais detalhada.

Qual é a importância desse plano para a empresa?

Em relação à importância do plano de contas contábil para a empresa, a primeira observação a fazer é que a sua elaboração é de grande valia para a realização de uma boa gestão econômica e financeira.

Entenda que é por meio dessa aplicação que deverão ser norteados os registros contábeis — o que inclui as seguintes demonstrações:

• demonstrativo de resultados do exercício;

• demonstrativos de fluxo de caixa;

• balanço patrimonial.

O ponto a destacar aqui é que, embora haja uma estrutura base para o plano, cada organização poderá personalizá-lo do modo mais adequado às suas particularidades de atuação.

Isso quer dizer que tanto os detalhamentos quanto a análise das informações devem ser realizados de forma específica. Porém, a finalidade do plano de contas contábil se mantém: fornecer dados importantes para a formação das três demonstrações citadas acima.

Vale ressaltar, ainda, a sua relevante contribuição para a adequação às exigências tributárias que envolvem as atividades de uma pessoa jurídica. Além disso, essa ferramenta pode colaborar fortemente para a redução de custos e para a visualização dos pontos internos que precisam ser otimizados.

O plano de contas contábil define como registrar ativo, passivo, receitas e despesas da empresa.

Como organizá-lo para o próximo ano?

Chegamos agora à parte mais importante deste conteúdo: a organização do plano de contas contábil para o próximo ano. Considerando o que já foi dito até aqui, tudo deve começar com a descrição e a divisão dos grupos de ativos, passivos, receitas e despesas.

Uma vez estabelecidos, crie as subcontas relativas a cada um deles. Sob uma visão geral, o plano de contas contábil deve ser estruturado em níveis e subníveis. Veja o exemplo:

ATIVO:

  • ATIVO CIRCULANTE:
    • caixa total
    • bancos com movimento:
      • banco “X”
      • banco “Y”
    • contas a receber:
      • clientes
      • outros
      • estoque:
      • insumos
      • mercadorias
      • produtos acabados
      • outros
  • ATIVO NÃO CIRCULANTE:
    • contas a receber:
      • clientes
      • outros
    • investimentos:
    • bancos:
      • banco “X”
      • banco “Y”
      • participações societárias
    • imobilizado:
      • terrenos
      • máquinas e equipamentos
      • construções e benfeitorias
      • móveis
      • veículos
      • (-) amortização acumulada
      • (-) depreciação acumulada
    • intangível:
      • marcas
      • softwares

 PASSIVO:

  • PASSIVO CIRCULANTE:
    • impostos e tributos a recolher:
      • INSS
      • FGTS
      • Simples Nacional (regime)
      • outros
    • contas a pagar:
      • fornecedores
      • outros
    • empréstimos:
      • banco “X” — operação “A”
      • banco “Y” — operação “B”
  • PASSIVO NÃO CIRCULANTE: 
    • empréstimos:
      • banco “X” — operação “C”
      • banco “Y” — operação “D”
    • patrimônio líquido:
    • capital social:
      • capital social subscrito
      • capital social a realizar
    • reservas:
      • reservas de capital
      • reservas de lucros
    • prejuízos acumulados:
      • prejuízos do exercício atual
      • prejuízos acumulados dos exercícios anteriores
    • resultado:
    • receita líquida:
    • receita bruta de vendas:
      • de produtos
      • de serviços prestados
    • deduções da receita bruta:
      • devoluções de produtos
      • serviços cancelados
    • outras receitas:
      • vendas de ativos não circulantes
      • receitas relativas aos investimentos
      • alienação do imobilizado
    • custos e despesas:
    • custos dos produtos vendidos:
      • custos dos materiais
      • custos da mão de obra
      • salários
      • encargos
      • comissões
      • bonificações
    • custos dos serviços prestados:
      • custos dos materiais
    • custos da mão de obra:
      • salários
      • encargos
    • despesas operacionais:
      • despesas gerais
    • mão de obra:
      • salários
      • encargos
      • aluguéis

Utilize a tecnologia a seu favor

Como você pôde perceber, há uma série de detalhes a considerar em um plano de contas contábil. A verdade é que isso não poderia acontecer de outra maneira – até porque a contabilidade de uma empresa não se baseia apenas em contas de “mais e menos”, pagamentos de tributos e registro de entradas e saídas.

Se você deseja otimizar a gestão financeira do negócio, desenvolver essa estrutura é essencial. Como mencionamos, ela deve ser ajustada conforme as características da empresa em questão. Também não podemos deixar de dizer que, para facilitar os controles e otimizar os resultados, é necessário utilizar a tecnologia a seu favor.

Nesse sentido, a solução que não pode faltar em nenhum tipo de organização é o ERP. Ele nada mais é do que um software de gestão integrada, que permite a automação das tarefas e a comunicação entre os diversos setores da companhia.

Por fim, cabe salientar que, quanto mais detalhado for o seu plano de contas contábeis, melhor. Os níveis e os subníveis citados acima servirão como um bom apoio. No entanto, caso você precise especificar os elementos em um grau mais aprofundado, faça isso.

Uma dica importante sobre o plano de contas contábil

No momento de elaborar o plano contábil vale a pena conferir o plano de contas referencial, disponibilizado na página da Receita Federal. Isso porque, para as atender às Escrituraçãoes Fiscais Digitais (EFD), o SPED Contábil (ECD) e à Escrituração Contábil Fiscal (ECF), deve-se vincular as contas do plano de contas interno, com as contas do plano referencial da Receita.

Acesse o link para conferir a Tabela Dinâmica e o Plano de Contas Referenciais:

http://sped.rfb.gov.br/arquivo/show/2424

E então? O que você achou deste artigo? Se gostou, aproveite para assinar a nossa newsletter e receba os melhores conteúdos diretamente em sua caixa de entrada!



Ana Maria de Jesus Neta

Ana Maria de Jesus Neta

Analista de Negócios

Deixe seu comentário


Fique por dentro das novidades. Assine a newsletter da Consistem.